# 12


praia fluvial (coimbra), março 2009



nas cidades as tempestades alojadas nas crateras da pele


trepam sagazes nas gargantas dos seres doidos de fogo



nas cidades os reflexos das luzes alojados nos poros do sangue


ficam absortos nas bocas dos seres acordados de pavor



havemos de ir com os cântaros mais fundos


buscar o mel que fizeram as mulheres que habitam as galáxias


de nós



buscar o fogo pleno


trazer as águas fartas


de assombro

1 comentário:

Alice disse...

Gostei muito da tua "gaveta"... Este será, talvez, o meu mais preferido.
(Marta)